Encabezado de página
DOI: https://doi.org/10.15332/us.v18i0.2374

Autoavaliação de saúde e as associações com a síndrome da fragilidade em idosos atendidos em serviço de Geriatria

Dayane Capra de Oliveira, Giovana Sposito, Vanessa Abreu da Silva, Daniel Eduardo da Cunha Leme, Maria José D´Elboux

Resumen - 209 | PDF - 106

Texto completo:

PDF

Resumen

Objetivo: analisar a associação entre a autoavaliação de saúde e a síndrome da fragilidade em idosos atendidos no serviço de geriatria.

Método: trata-se de um estudo longitudinal que teve na linha de base a participação de 150 idosos. Após oito anos de estudo, 54 idosos da amostra inicial receberam uma segunda avaliação. Os participantes foram avaliados e reavaliados quanto a autoavaliação de saúde que foi classificada em ruim, mais ou menos e boa, assim como, pelo fenótipo da fragilidade identificada por cinco componentes: fraqueza, lentidão, baixo nível de atividade física, exaustão e perda de peso não intencional. Aqueles com nenhum componente foi classificado como não-frágil, aqueles com um ou dois componentes foram classificados como pré-frágeis e aqueles com três ou mais componentes foram considerados frágeis. Para comparar as variáveis de autoavaliação de saúde (ruim, mais ou menos ou boa); classificação da fragilidade (não-frágil, pré-frágil e frágil) e componentes da fragilidade (fraqueza, lentidão, baixo nível de atividade física, exaustão e perda de peso não intencional ), foram realizados os testes de qui-quadrado e exato de Fisher.

Resultados: a autoavaliação de saúde “ruim” associou-se com os componentes “lentidão” e “exaustão” com maior frequência (87,5%) e (100,0%), respectivamente (p<0,05).

Conclusão: a relação entre medidas subjetivas em saúde e a síndrome da fragilidade prevalente nos idosos, avigora a boa concordância da subjetividade em saúde e condições clínicas capaz de mostrar a relevância de instrumentos que consideram a percepção individual do estado de saúde junto ao rastreio de vulnerabilidade nesta população.

Palabras clave

saúde do idoso; autoavaliação; idoso fragilizado; assistência ambulatorial

Referencias


Peres MA, Masiero AV, Longo GZ, da Rocha GC, Matos IB, Najnie K, et al. Autoavaliação da saúde em adultos no Sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2010;44(5):901-11. DOI: 10.1590/S0034-89102010000500016

Borim F, Barros M, Neri A. Autoavaliação da saúde em idosos: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(4):769-80. DOI: 10.1590/S0102-311X2012000400016

Borim, FSA, Neri AL, Francisco PMSB, Barros MBD. Dimensões da autoavaliação de saúde em idosos. Rev Saúde Pública. 2014;48(5). DOI: 10.1590/S0034-8910.2014048005243

Martinez DJ, Kasl SV, Gill TM, Barry LC. Longitudinal association between self-rated health and timed gait among older persons. J Gerontol B: Psychol Sci Soc Sci. 2009;65(6):715-9. DOI: 10.1093/geronb/gbp115

Lima MG, Barros MB, César CL, Goldbaum M, Carandina L, Ciconelli RM. Impact of chronic disease on quality of life among the elderly in the state of São Paulo, Brazil: a population-based study. Rev Panam Salud Pública. 2009;25(4):314-21. DOI: 10.1590/s1020-49892009000400005

Moreno X, Albala C, Lera L, Sánchez H, Fuentes-García A, Dangour AD. The role of gender in the association between self-rated health and mortality among older adults in Santiago, Chile: A cohort study. PLoS One. 2017; 12(7):e0181317. DOI: 10.1371/journal.pone.0181317

Dapp U, Minder CE, Anders J, Golgert S, von Renteln-Kruse W. Long-term prediction of changes in health status, frailty, nursing care and mortality in community-dwelling senior citizens-results from the longitudinal urban cohort ageing study (LUCAS). BMC Geriatr. 2014;14(1):141. DOI: 10.1186/1471-2318-14-141.

Jerez-Roig J, Souza DL, Andrade FL, Lima BF Filho, Medeiros RJ, Oliveira NP, et al. Self-perceived health in institutionalized elderly. Cien Saude Colet. 2016;21(11):3367-75. DOI: 10.1590/1413812320152111.15562015

Bez JPdO, Neri AL. Velocidade da marcha, força de preensão e saúde percebida em idosos: dados da rede FIBRA Campinas, São Paulo, Brasil. Cien Saúde Colet. 2014;19(8):3343-53. DOI: 10.1590/1413-81232014198.09592013

Gijón-Conde T, Graciani A, López-García E, García-Esquinas E, Laclaustra M, Ruilope LM, et al. Frailty, disability, and ambulatory blood pressure in older adults. J Am Med Dir Assoc. 2017. DOI: 10.1016/j.jamda.2017.11.014

Fried LP, Tangen CM, Walston J, Newman AB, Hirsch C, Gottdiener J, et al. Frailty in older adults: evidence for a phenotype. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2001;56(3):M146-M57. DOI: 10.1093/gerona/56.3.M146

Borim FSA, Barros MBA, Yassuda MS, Eulalio MC. Avaliação subjetiva de saúde e fragilidade. In: Neri AL. Fragilidade e Qualidade de Vida na Velhice. Alínea ed 2013. p. 227-45.

Bertolucci PH, Brucki SM, Campacci SR, Juliano Y. The Mini-Mental State Examination in a general population: impact of educational status. Arq Neuropsiquiatr. 1994;52(1):1-7.

Radloff LS. The CES-D scale a self-report depression scale for research in the general population. Applied psychological measurement. 1977;1(3):385-401. DOI: 10.1177/014662167700100306

Batistoni SST, Neri AL, Cupertino APFB. Validity of the center for epidemiological studies depression scale among Brazilian elderly. Rev Saude Publica. 2007;41(4):598-605. DOI: 10.1590/S0034-89102007000400014

Guralnik JM, Simonsick EM, Ferrucci L, Glynn RJ, Berkman LF, Blazer DG, et al. A short physical performance battery assessing lower extremity function: association with self-reported disability and prediction of mortality and nursing home admission. J Gerontol. 1994;49(2): M85-M94. DOI: 10.1093/geronj/49.2.M85

Nakano M. Adaptação cultural do instrumento Short Physical Performance Battery-SPPB: adaptação cultural e estudo da confiabilidade [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. 2007.

Silva V. Desfechos da Síndrome da Fragilidade: um estudo longitudinal com idosos em atendimento ambulatorial [Tese Doutorado]. Universidade Estadual de Campinas: Campinas, SP; 2014.

Tavares Batistoni SS, Martins Prestes S, Cachioni M, Vieira da Silva Falcão D, Lopes A, Sanches Yassuda M, et al. Categorização e identificação etária em uma amostra de idosos brasileiros residentes na comunidade. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2015;28(3). DOI: 10.1590/1678-7153.201528310

Passarelli Mantovani E, de Lucca SR, Liberalesso Neri A. Associações entre significados de velhice e bem-estar subjetivo indicado por satisfação em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(2):203-222. DOI: 10.1590/1809-98232016019.150041

Oliveira M, Daher D, Silva J, Andrade S. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Cien Saude Colet. 2015;20(1):273-8. DOI: 10.1590/1413-81232014201.21732013

Manfio Liberalesso TE, Dallazen F, Casali Bandeira VA, Moraes Berlezi E. Prevalência de fragilidade em uma população de longevos na região Sul do Brasil. Saúde em Debate. 2017;41(113). DOI: 10.1590/0103-1104201711316

Küchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Sociedade e Estado. 2012;27(1):165-80.

do Censo Demográfico IS. Rio de Janeiro: 2011. www ibge gov br//estatistica//censo2010/ acesso em. 2010;20(04):2014. DOI: 10.1590/S0102-69922012000100010

Sutton JL, Gould RL, Daley S, Coulson MC, Ward EV, Butler AM, et al. Psychometric properties of multicomponent tools designed to assess frailty in older adults: A systematic review. BMC Geriatr. 2016;16(1):55. DOI: 10.1186/s12877-016-0225-2

Leme DE, Thomaz RP, Borim Fs, Brenelli SL, de Oliveira DV, Fattori A. Estudo do impacto da fragilidade, multimorbidade e incapacidade funcional na sobrevida de idosos ambulatoriais. Cien Saude Colet. 2019;24(1):137-146. DOI: 10.1590/1413-81232018241.04952017.

Freitas CV, Sarges EdSNF, Moreira KECS, Carneiro SR. Avaliação de fragilidade, capacidade funcional e qualidade de vida dos idosos atendidos no ambulatório de geriatria de um hospital universitário. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(1):119-28. DOI: 10.1590/1809-9823.2016.14244

de Carvalho Mello A, Engstrom EM, Alves LC. Fatores sociodemográficos e de saúde associados à fragilidade em idosos: uma revisão sistemática de literatura. Cad Saúde Pública. 2014;30(6):1-25. DOI: 10.1590/0102-311X00148213

Melo DM, Falsarella GR, Neri AL. Autoavaliação de saúde, envolvimento social e fragilidade em idosos ambulatoriais. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(3):471-84. DOI: 10.1590/1809-9823.2014.13172

Pérez-Fuentes MC, Molero MM, Mercader I, Soler Flores FJ, Barragán A, Calzadilla Y, et al. Salud percibida y salud real: prevalencia en las personas mayores de 60 años. Enferm Univ.2015;12(2):56-62. DOI: 10.1016/j.reu.2015.03.002

Sargent-Cox KA, Anstey KJ, Luszcz MA. Patterns of longitudinal change in older adults' self-rated health: the effect of the point of reference. Health Psychol. 2010;29(2):143-52. DOI: 10.1037/a0017652

Reile R, Leinsalu M. Ethnic variation in self-rated health–mortality association: Results from a 17-year follow-up study in Estonia. Medicina (Kaunas). 2017;53(2):114-121. DOI: 10.1016/j.medici.2017.04.003

Link BG, Susser ES, Factor-Litvak P, March D, Kezios KL, Lovasi GS, et al. Disparities in self-rated health across generations and through the life course. Soc Sci Med. 2017; 174:17-25. DOI: 10.1016/j.socscimed.2016.11.035

Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DSd, et al. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangência de unidades básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):39-54. DOI: 10.1590/S0102-311X2008000100005

Ebrahimi Z, Wilhelmson K, Eklund K, Moore CD, Jakobsson A. Health despite frailty: exploring influences on frail older adults' experiences of health. Geriatr Nurs. 2013; 34(4):289-94. DOI: 10.1016/j.gerinurse.2013.04.008

Eloranta S, Arve S, Isoaho H, Lehtonen A, Viitanen M. Factors connected with positive life orientation at age 70, 80, 85 and 90–The Turku Elderly Study. Scan J Caring Sci. 2015; 29(3):537-47. DOI: 10.1111/scs.12188

Pinto JM, Neri AL. Relações entre níveis de participação social, autoavaliação de saúde e satisfação com a vida em idosos de acordo com gênero. Revista Kairós: Gerontologia. 2016;19(4):255-72. DOI: 10.23925/2176-901X.2016v19i4p255-272


Resumen - 209 | PDF - 106

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.
Imagen